RESUMO DAS NOVELAS

ATUALIZADO

O GLOBO - ULTIMAS NOTICIAS

20/02/2012

SAIBA COMO FOI O ESTUPRO COLETIVO, QUE ABSURDO.

CRIME EM QUEIMADAS-PB: "QUEM MATOU, TUDO ERA AMIGO", DIZ COMERCIANTE SOBRE ESTUPRO COLETIVO.


Uma festa de aniversário em Queimadas, na Paraíba, terminou com um estupro coletivo, duas mulheres assassinadas e dez pessoas presas. Os acusados são amigos e parentes das vítimas, que moram na cidade. “Quem estava na festa, quem estava bebendo, quem estava brincando, quem matou, tudo era amigo”, diz o comerciante Antônio Correia de Melo.
O Ministério Público da Paraíba vai oferecer representações contra três adolescentes apreendidos nesta semana por suspeita de participação nos crimes.
Segundo o promotor Márcio Teixeira, que realizou uma audiência com os menores de idade na última sexta-feira (17/02/12), eles devem responder por estupro, homicídio e porte ilegal de arma. A representação final contra eles deve ser entregue à Justiça nesta semana.
Além dos três adolescentes, sete adultos estão presos por suspeita de envolvimento no crime. Eles foram transferidos para o presídio de segurança máxima de Jacarapé, o PB1, em João Pessoa, onde permanecem isolados por um período de adaptação até que a direção avalie se há segurança para que eles sejam colocados em celas com os demais presos. A medida foi tomada para evitar conflitos com outros detentos.

Queimadas, na região de Campina Grande, no agreste da Paraíba, ainda não se refez do choque. “Triste. Abalou a cidade toda. Quando isso é lá fora, a gente acha meio difícil. Mas aqui? Na cidade da gente?”, lamenta a dona de casa Maria do Carmo da Silva.

Presente de aniversário

A primeira versão era a de um assalto. Homens vestindo máscaras de carnaval teriam invadido uma festa para estuprar as convidadas. Depois, levaram duas delas como reféns. A recepcionista Michele Domingos da Silva, de 29 anos, foi assassinada a tiros ao lado da igreja da cidade. A professora Isabela Monteiro, de 27, foi encontrada morta em uma estrada vicinal. O cunhado dela reconheceu o corpo.

“Ela estava parada, com o carro parado. Ela, em cima da caçamba, com as mãos amarradas, olhos vendados. A situação não é fácil. A cidade parou com um crime desses”, relata o vendedor Dinarte de Arruda.

Quando o dono da festa foi dar queixa do assalto na delegacia, a polícia começou a desconfiar da reação dele. “Como é que um crime tão bárbaro que aconteceu na sua residência, durante um aniversário de um irmão seu, meia hora depois você está sorrindo?”, questiona o delegado regional André Luis Rabelo de Vasconcelos.

Eduardo dos Santos Pereira, de 28 anos, foi preso no velório de Isabela. Um a um, a polícia foi prendendo todos os acusados: três adolescentes e sete adultos, inclusive o aniversariante, Luciano dos Santos Pereira, de 22 anos, irmão de Eduardo.

Isabela morava com a mãe em uma casa de esquina. No mesmo quarteirão, na outra ponta, a menos de 50 metros, fica a casa de Luciano e Eduardo. Quem poderia suspeitar de uma festa em que o aniversariante e os convidados são vizinhos, amigos e alguns até parentes? A polícia da Paraíba já não tem dúvida alguma de que o que houve foi uma armadilha minuciosamente planejada, que resultou em duplo assassinato e em um caso de violência sexual jamais visto na região.

Os policiais encontraram grande quantidade de armas, presilhas e cordas para amarrar as mulheres. O grupo teria preparado o crime com 15 dias de antecedência. “Inclusive um deles afirma que seria um presente para o aniversário de Luciano, do irmão mais novo de Eduardo. Um presente do Eduardo para o Luciano”, acrescenta o delegado.

Luzes apagadas

A certa altura da festa, apagaram a luz, vestiram máscaras de carnaval e estupraram cinco convidadas. Uma delas era mulher de um primo dos donos da casa, que não sabia de nada. Isabela e Michele foram mortas porque reconheceram os estupradores. Os irmãos Eduardo e Luciano negam tudo e jogam a culpa nos outros.

“Jardel foi o mentor, dizendo que ia fazer isso. Queria pegar as meninas, que ele tinha vontade de ficar com as meninas”, conta Luciano Pereira em um vídeo da Polícia Civil da Paraíba.

Em outro inquérito, a polícia investiga a ligação deles com o traficante Nem, do Rio de Janeiro. A família de Nem tem origens na cidade de Queimadas. Eduardo já morou na Rocinha. Ele não trabalha e tem alto padrão de vida.

“Possuiu carros novos, cavalo de raça e vive sem nunca trabalhar, sem bater um prego em uma barra de sabão”, reforça o delegado.

Fonte: G1/FANTÁSTICO
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAINEL

vooz